sexta-feira, 20 de março de 2009

SE HAY REFORMA ORTOGRÁFICA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA, SOY CONTRA

Como todo mundo que conheço, detestei essa Reforma Ortográfica da Língua Portuguesa.

Primeiramente porque essa história de “unir” todos os povos de língua portuguesa pra mim é uma grande bobagem. Particularmente, nem acho que falamos português aqui – falamos BRASILEIRO. Português é OUTRA coisa.

Por exemplo:





Aí, fazem um "acordo" entre potências como Angola, Guiné-Bissau e Cabo Verde para definir que, a partir de agora, "idéia" é sem acento agudo, "vôo" é sem o circunflexo e que os hífens... bom, essa parte nem eles mesmos sabem direito como vai funcionar.

Tenho livros em casa dos anos 60 e 70 com coisas como “êste” ou “ôvo” e imagino que, quando aboliram os acentos em 1971, muita gente deve ter ficado tão inconformada quanto nós estamos hoje.

Só que eles acostumaram e hoje quando relêem algum livro do Monteiro Lobato impresso em 1967, devem estranhar também.

Porque é tudo hábito, né? Os redatores de então se policiavam e tomavam cuidado pra suprimir os acentos na sua máquina de escrever e, com o tempo, o “ovo” sem acento começou a parecer cotidiano.

Só que a máquina de escrever deles não ficava dizendo pra eles “Ei! Burro! Você escreveu “ovo” errado! É com acento circunflexo!” e lotava a página deles com minhoquinhas vermelhas irritantes.

Eu acho que a gente devia exigir que essa tal Comunidade dos Países de Língua Portuguesa descolasse um upgrade no dicionário do nosso Word.

Eu sei que EU que não vou pagar por essa porra.

3 comentários:

elbugz disse...

Acho engraçado que você tenha que criticar a reforma ortográfica da comunidade dos países de língua portugesa para poder justificar colocar esse vídeo bost no seu site.
Ahh e por falar em "bost" que me fez lembrar das minhoquinhas vermelhas do Word (ou me fez lembrar do Word e as minhoquinhas), basta você adicionar as palavras ao dicionário que ele deixa de achar que elas estão erradas.

Vladimir "Charles" Brown disse...

O que questiono, meu caro, é o fato de sermos consultados quanto a assuntos como a legalidade de portarmos armas de fogo, mas sermos esquecidos na hora de definir nossa ortografia e gramática.

Não fiz uma pesquisa, mas aposto um bom dinheiro que existe muito mais gente que escreve e lê neste país do que portadores de revolveres e pistolas. Por isso, acho o tema da nossa LÍNGUA algo no mínimo digno de consulta.

E, quanto à simplicidade de "adicionar palavras ao dicionário", como você menciona, fiz uma rápida pesquisa aqui no googel e, de acordo com o Aurélio há 435 mil palavras na língua portuguesa. Essa tal reforma afetará 0,45% destas.

Particularmente, acho 0,45% de 435 mil um número respeitável, mas pelo seu comentário, parece estou fazendo tempestade em copo d'água.

Então ok. Já que aparentemente é tão simples, gostaria de agendar um horário para que você pudesse aleterar estas 1.957 palavras no meu Word e acabar com as tais "minhoquinhas" com a simplicidade que você demonstrou no seu comentário.

Boralá?

Mark disse...

Impressionante o fato da área de comentários do seu blog ser mais interessante do que o blog.
I wonder why...