sexta-feira, 3 de abril de 2009

GUITAR HEROES


Mais um sonzinho muito difícil de achar por aí pra vocês que curtiram a parte mais hard rock dos anos 80. Se não é o seu caso, nem leia.

A idéia foi colocar em uma música só os 10 guitarristas mais influentes dos anos 80. Pra fazer isso, o guitarrista David Killminster gravou uma base e foi fazendo solos bem no estilo dos 10 maiores ícones da guitarra da época.

Pros que se ligam nas diferenças e nuances entre estilos entre um guitarrista e outro, este som vai ser um verdadeiro achado. O Kilminster toca muito e imita os estilos de cada um dos músicos de forma natural e incrivelmente precisa. É como se cada um deles tivesse passado no estúdio pra gravar sua parte (por falar nisso, outro dia posto uma música aqui em que algo parecido aconteceu de fato, numa gravação do Spinal Tap).

De qualquer forma, taí a música. O Kilminster diz o nome de cada um à medida que vai tocando, mas pra quem quiser mais, segue a lista dos 10:

• Randy Rhoads – Guitarrista do Ozzy Osbourne no início de sua fase solo, ele tinha forte influência erudita e uma pegada muito forte e característica. Infelizmente, o cara teve um acidente aéreo fatal quando estava no auge da carreira. É aquele tipo de coisa que acontece com gente como ele o Stevie Ray Vaughan, mas nunca com o Zezé di Camargo.

• George Lynch – Um cara que recebeu o apelido de “Mr. Scary” pelas coisas sobrenaturais que ele fazia com as 6 cordas, merecia uma banda melhor do que a Dokken pra seguir sua carreira musical. No entanto, ele ficou por lá mesmo e, salvo um ou outro trabalho solo, não teve a projeção que deveria ter tido.

• Greg Howe – Este grande mestre eu já abordei num post anterior, mas pra quem não está com saco de ler, ele foi um dos grandes shredders da década de 80 e depois migrou pro fusion. Meu irmão Uncle Bugz argumentaria que a coisa mais significativa que o Howe fez na vida foi seguí-lo no Twitter. Mas, como meu irmão é mó putinha do Greg Howe, não sei se deveríamos levar isso como referência.

• Jason Becker & Marty Friedman – Estes dois moleques (na época) assombraram o mundo com uma banda chamada Cacophony, que no fundo nada mais era do que uma desculpa pra trocarem solos furiosos repletos de técnica apuradíssima e escalas exóticas. Por uma daquelas grandes injustiças da vida, o Becker foi diagnositcado com a doença de Lou Gehrig (ou doença de Charcot) no começo dos anos 90 e, devido à natureza altamente degenerativa da doença, hoje ele consegue apenas mover os olhos. Algum dia eu posto algo sobre isso, mas o fato é que isso acabou privando a gente de um grande músico. Seu comparsa no Cacophony era o Marty Friedman, que eu particularmente prefiro por uma questão de gosto pessoal (o Becker sempre me pareceu um pouco “sem feeling” demais). O Friedman tocou muito tempo no Megadeth e fez os melhores discos da banda, tendo tocado alguns dos solos mais memoráveis de toda a história do metal.

• Paul Gilbert – Outro dos caras idolatrados por multidões de guitarristas que eu particularmente acho um porre (com um ou outro momento interessante). Durante um tempo ele tocou naquela banda “Mr. Big” que tinha umas baladinhas-chiclete que tocavam nas rádios, mas, fora o ladinho pop dele, ele tinha uma técnica que deixava a garotada babando. Pra mim parece que ele usa um barbeador elétrico como palheta e os 10 dedos pra martelar notas a esmo no braço da guitarra.

• Eric Johnson – Esse destoa do resto porque é o único da música que não tem uma levada rock, porque veio do jazz/fusion. Não por acaso, a levada da música nesta parte muda um pouco. Ele tocou com o Satriani e o Vai na primeira formação do G3 (projeto que unia 3 grandes guitarristas no mesmo palco).

• Joe Satriani (Satch) – Na época, ele era cabeludo (não que isso tenha qualquer coisa a ver com o tema do post, mas considere isso um “fun-fact” pra utilizar em conversas quando o assunto do papo não estiver rendendo). Nem precisa falar sobre ele, precisa? Mesmo quem não entende um catso sobre guitarristas sabe que ele é o cara.

• Yngwie J. Malmsteen – O Malmsteen praticamente inventou essa história de neo-classical-metal e conseguiu a proeza de gravar 19 Cds com a mesma música de novo e de novo e de novo... e o que é mais impressionante: A GALERA COMPRA! Até mesmo o David Kilminster se cansa durante o solo e, por mais inegável que tenha sido a influência dele em milhões de guitarristas jovens, vamos combinar que o Malmsteen JÁ DEU O QUE TINHA QUE DAR, né? Outra curiosidade sobre o Malmsteen é o fato dele sempre assinar suas músicas como “Yngwie J. Malmsteen”, provavelmente pra diferenciar de todos os outros milhares de Yngwie Malmsteens que existem por aí.

• Steve Vai – Definitivamente o mais esquisisto dos guitarristas dos 10 retratados aqui, o Vai tocou com o Frank Zappa, o que deve ser por si só uma experiência inigualável em todos os sentidos (e mais alguns). A coisa mais legal que eu vi o Vai fazendo foi durante um show aqui no Brasil. Ele entrou no palco com uma camisa da Seleção e uma bola de futebol. Aí ele deu o que provavelmente foi o PIOR CHUTE DE TODA A HISTÓRIA do esporte, por pouco não matando o baixista, que se encontrava ATRÁS DELE, no palco. A galera foi ao delírio!

• Eddie Van Halen – Ai não tem nem o que dizer. De um cara que consegue fazer um pusta som até com uma FURADEIRA (a abertura da música “Poundcake” do Van Halen), acho que deviam é montar uma igreja pra venerar o cara. Aquele fã que pichou “Clapton is god” definitivamente não conhecia o Van Halen. E nem o Jeff Beck.

Enfim, o que era pra ser um post rápido acabou se tornando um trabalho de conclusão de curso. Então chega de papo e ouve aê essa brilhante salada musical do David Kilminster:


2 comentários:

elbugz disse...

Nossa... esse som era daqueles LPs de plastico flexivel quem vinham na guitar player não?
Mó nostálgico.
Ainda acho que desta lista, os estilos que mais me agradam (em nenhuma ordem específica) são os do Rhoads e Friedman/Becker.

Ia comentar algo sobre seus comentários sobre o Howe mas decidi pedir pra que ele te siga também (embora você nem use o Twitter) só pra que você possa ficar se vangloriando.

Vladimir "Charles" Brown disse...

Na verdade este track veio de uma edição da revista Guitarist, uma publicação inglesa que acabei tendo que parar de comprar por falta de verba.

Preciso dar uma pesquisada nas revistas em casa, mas devo ter a transcrição e tablatura disso em algum lugar. Se vc quiser, te copio e jogo na sua mão.

E quanto ao Greg Howe, eu já tô sendo seguido por ele, porque afinal eu tbm sou putinha do greg howe... :-S