quinta-feira, 21 de maio de 2009

… E A VOZ DO POVO ACABOU CALANDO O VERDADEIRO AMERICAN IDOL


Acompanho o American Idol deste ano desde a segunda fase, e logo de cara já havia elegido o vencedor da competição, como vocês podem ver neste post anterior.

Pra mim o Adam Lambert foi de longe o maior participante de toda a história do programa e, em todos os episódios, deu um banho nos outros participantes.

A crítica especializada concorda comigo, os jurados do programa concordam comigo e qualquer pessoa que entende de música concorda comigo.

Anteontem foi a apresentação dos dois finalistas no American Idol lá no “estrangeiro” (por aqui só passa hoje à noite) e ontem foram os resultados da votação.

Eu deixei baixando em casa e tentei me manter alienado para ter a sensação de assistir aos resultados “ao vivo”, mas infelizmente acabei esbarrando sem querer com o resultado no blog de um amigo.

Resumo da ópera: não deu Lambert. Minha esposa Carla, também torcedora do espetacular cantor da Califórnia, havia cantado a bola há semanas que isso poderia ocorrer. Deu o alerta de novo ontem, quando consegui ver a apresentação final dos dois. Torci pra que ela estivesse errada, e confesso que achei que estivesse mesmo.

Mas quem ganhou foi o Kris Allen, um garoto com cada de bom-moço, voz competente, uma espécie de Jack Johnson que sabe cantar, tipo de cara que todo mundo gostaria de ter como genro.

Passada a surpresa com o resultado e a raiva inicial pela sensação de ter lido a última página da história antes de ter começado o último capítulo, comecei a me perguntar o que teria acontecido.

Em seu blog, meu caro Tony Goes argumenta que o fator principal na derrota do Lambert foi o fato dele ser homossexual e, em se tratando de um pais conservador e homofóbico como os EUA, a hipótese até faz sentido que muita gente tenha votado no Kris por preconceito ao Lambert (apesar de eu acreditar que muitos dos que fizeram isso também se emocionam até hoje sempre que ouvem “Night And Day” do Cole Porter tocando no rádio, mas enfim...)

Só que eu não tenho certeza de que foi só isso. Semana passada, quando eram três os concorrentes, o Kris foi disparado o que mais angariou fãs quando os três foram liberados a passar um dia em suas cidades-natais. Isso chama a atenção por dois motivos.

Um é que na apresentação da semana anterior, ele havia sido um dos piores a subir ao palco, mas se safou pela injusta eliminação da talentosa Alison Iraheta.

Outra coisa é o fato dele ter levado 20.000 pessoas para recepcioná-lo na inexpressiva cidade de Conway, no inexpressivo estado do Arkansas, que tem uma inexpressiva população total de 53.000. Pra quem não quer fazer cálculo, estamos falando de um número EXPRESSIVO: 43% da sua cidade-natal nas ruas pra recepcioná-lo.

Tá. Mas e aí? Aí que eu acho que o que mais pesou a favor do Kris Allen neste American Idol foi o simples fato de que O POVO É BURRO e não sabe entender do que se trata a competição.

Muita gente deve ter votado nele porque ele é “bonitinho”, tem cara de bonzinho, canta umas musiquinhas mais “rasas” e próximas do gosto popular (que é BURRO e não sabe o que é boa musica), é humildezinho, vem de uma cidade no meio do nada e, poxa, merece um lugar ao sol! E, olha que bonitinho, o pai dele chora de emoção sempre que o filho canta. Ahhhhhhhhhhhhhh... TEM QUE GANHAR, NÉ NÃO?

É como quando lançam um grupo de jovens carentes que superaram os obstáculos, aprendem a tocar instrumentos e lançam um single no Faustão, no Raul Gil ou sei lá onde. E o single é RUIM PACARAY. No entanto, pode ver: o povo todo (que é BURRO) se emociona, acha a coisa mais linda do mundo, canta junto...

E quando você pergunta o que eles gostaram na música que você achou uma porcaria, a resposta é que aqueles jovens tiveram que lutar muito pra chegar aonde chegaram, pastaram, superaram as dificuldades, são DO POVO (que é BURRO).

Com o perdão da insensibilidade, who gives a fuck?

Uma coisa não tem nada a ver com a outra. As pessoas precisam aprender que o histórico e características das pessoas são uma coisa e talento musical é outra, completamente diferente.

Acho que o que aconteceu neste American Idol foi exatamente isso. O POVO (que é BURRO) votou no Kris Allen “pessoa”, e não no Kris Allen “cantor”.

E o Kris Allen “pessoa” é aquele que veio do Arkansas e não da Califórnia, que é um bom garoto e não excêntrico e excessivo como o Lambert e que é – e como eu odeio essa palavra – HUMILDE e inseguro enquanto seu concorrente demonstra ter plena consciência de seu inegável talento e não esconde o fato.

Se foi um resultado “politicamente correto” para os padrões quadrados e cristãos norte-americanos, foi também uma decisão artisticamente equivocada e um desastre para todos que, como eu, acreditam que, quando um competidor é melhor que o outro, que vença o melhor.


P.S. Pra vocês que não conhecem o Lambert, aqui vai uma das apresentações do cara, cantando "Play That Funky Music, White Boy".

Assiste aê:

2 comentários:

Tony Goes disse...

Você viu que hoje estourou um escândalo relativo à vitória do Kris Allen? Na noite da final, a ATT distribuiu celulares que davam direitos a ligações gratuitas para o "Idol" em algumas festas pró-Kirs no estado natal dele, Arkansas. Mas não fez o mesmo em nenhuma festa pró-Adam...

Mas acho que a vitória do Kris é incontestável. Pelo menos à luz das vendas do primeiro single dos dois finalistas, que foram obirgados pelo programa a gravar a mesma música horrorosa da jurada Kara DiGuardio. Via iTunes, a versão de Kris já vendeu 135 mil cópias - 100 mil a mais do que a de Adam...

P.S.: Finalmente tomei vergonha na cara e linkei no meu blog. Como seu blog começa com "A", é um dos primeiros da lista!

Anônimo disse...

DESCULPA EU TO POUCO ME LIXANDO PARA ESSES PROGRAMAS DE AUDITORIO, SEJA NOS EUA OU AQUI, MAS SEU TEXTO É OTIMO E A VERDADE É QUE O POVO É BURRO MESMO, OLHA PARA OS POLITICOS QUE ELES ELEGEM ( AQUI E NOS EUA TB) COMO DIZ AQUELA FAMOSA FRASE " A DIFERENÇA ENTRE A INTELIGENCIA E A BURRICE É QUE A INTELIGENCIA TEM LIMITES"