domingo, 24 de janeiro de 2010

A HOMENAGEM BRITÂNICA DE PAUL GILBERT

Não gosto muito do Paul Gilbert e, se você não é um fã de guitarra, eu poderia ter dito que não gosto muito do Zlaboh Wilfenbercker que teria o mesmo efeito. Mas, pra quem é apreciador das 6 cordas, o Paul Gilbert costuma servir de referência no quesito “notas por segundo”.

Por ter tido uma avó que era exímia violinista e dominava o instrumento com uma técnica de arrepiar, eu sempre dei o devido valor a quem sabe tocar de forma correta e precisa. Mas também sempre achei que toda a técnica do mundo é inútil se você não souber o que fazer com ela.

E aí é que mora meu problema com o Paul Gilbert.

Acho ele tecnicamente perfeito. Evidentemente, se dedicou durante incontáveis horas na busca pelo aperfeiçoamento musical, mas eu acho que ele só esqueceu de pensar no que cada nota que ele tocava significava de fato.

Por mais que eu tente ouvir as músicas dele, tudo me parece meio desnecessário, bobo, sem sentido.

Quer dizer, tudo, menos a música que posto aí embaixo.

Essa veio de um workshop que ele dá para guitarristas e mescla em uma única música as 3 bandas britânicas que ele mais gosta: Led Zeppelin, Black Sabbath e... ehm... Spice Girls.

Basicamente, o que ele faz é tocar a música “2 Become 1” das Spice Girls com o solo de “Stairway To Heaven” do Zep e termina com o pesadíssimo riff de “Sweet Leaf” do Black Sabbath.

Se ficou bom? Hm... bem... não.

Mas é divertido!

E é o tipo de coisa que quem é guitarrista deveria ao menos saber que existe pra não passar vexame na próxima festa do IGT (existe isso?).

Ouve aê:

Um comentário:

alebf disse...

Paulo Gilberto rules!
You Suck!

http://www.youtube.com/watch?v=fu28kxsp7i8&feature=related